Como cuidar da pessoa com demência ?

cuidar demência
Cuidar da pessoa com demência é um grande desafio para a família. Neste artigo damos-lhe alguns conselhos práticos.

Cuidar alguém com demência

A demência, segundo a Alzheimer Portugal é o termo utilizado para descrever os sintomas de um grupo alargado de doenças que causam um declínio progressivo no funcionamento da pessoa. É um termo abrangente que descreve a perda de memória, de capacidade intelectual, raciocínio, competências sociais e alterações das reações emocionais normais.

Quando um familiar, ou alguém que nos é próximo, é diagnosticado com esta condição, o mundo desaba. Muitas vezes surge a recusa em aceitar o diagnóstico médico. Muitas vezes se questiona: “Porquê a mim? Porquê a nós?” Não há resposta. Não há um fármaco que permita a cura, apenas medicação que ajuda a atenuar os efeitos e a desacelerar a progressão da doença, permitindo que a pessoa consiga viver o “seu” tempo com a melhor qualidade de vida possível.

Como podemos contribuir para esse processo?

É fundamental ter paciência, resiliência, manter a calma, saber demonstrar afeto. Nunca nos devemos esquecer de que estamos a lidar com uma pessoa que, normalmente, está assustada, confusa, perdida. Estes sentimentos podem surgir em qualquer altura do processo de demência, porém no início da doença a pessoa por vezes pode ter a noção que está a ter comportamentos desajustados ou “estranhos”.

Esta situação implica um enorme esforço, por parte do cuidador/família para ultrapassar alguns sentimentos, frustrações e receios. Também a família pode necessitar de apoio para saber como reagir e se adaptar à nova realidade.

Devemos ter em mente que, com o evoluir da doença, vai ser cada vez mais difícil conseguir fazer com que a pessoa nos entenda, pelo que devemos ter em conta alguns princípios básicos na comunicação:

Se possível, devem assegurar-se algumas condições físicas importantes como encontrar um espaço com o mínimo de distrações:  conversas de fundo, sons de televisores, rádios, equipamentos eletrónicos, barulho de crianças ou luzes incomodativas, por exemplo, podem ser muito perturbadores para pessoas com demência e impedir ou interromper a comunicação.

Outros conselhos fundamentais passam por:

  • Estar ao mesmo nível da pessoa com quem vai comunicar, de forma a estar “olhos nos olhos” com a mesma;
  • Falar espaçada e pausadamente;
  • Usar o mínimo de palavras numa frase ou questão;
  • Não fazer perguntas à pessoa que possam causar frustração, revolta ou tristeza. Ou seja, não tentar fazer com que a pessoa se lembre de tudo, pois ela não irá conseguir;
  • Adotar uma posição confortável e não defensiva, não estando com os braços cruzados, por exemplo;
  • Ter presente que o seu estado emocional se irá espelhar na pessoa à sua frente: se estiver nervoso, a pessoa não irá certamente entender o que diz e poderá adotar uma postura agressiva/defensiva;
  • Se for costume ou considerado benéfico, dar a mão à pessoa com quem está a falar, assim demonstrando afeto e conforto;
  • Se a pessoa em questão não estiver a conseguir compreender algo, ou se se demonstrar agressiva, não se deve forçar: sair, respirar fundo, concluir uma tarefa doméstica pendente são uma boa alternativa. Depois poderá regressar e tentar de novo.

As doenças do foro neurológico são um processos degenerativos. Poderá haver dias idênticos, mas nenhum dia vai ser igual ao anterior.

Equipa da Warmy

Na Warmy acompanhamos em domicílio clientes e famílias que se deparam com situações de demência. As nossas cuidadoras são acompanhadas pelos enfermeiros gestores de domicílio e a gerontóloga social, ambos com experiência no cuidado e formação na área.

Sabemos que cuidar em domicílio é um enorme desafio mas acreditamos que um trabalho em conjunto com a família tem maior probabilidade de sucesso. O fato de fazermos visitas mensais com regularidade e estarmos disponíveis para as famílias traz a tranquilidade e segurança que a família tanto precisa.

Aconselhamos a leitura do artigo sobre os diversos tipos de demência existentes.

Viva um dia de cada vez.

Não se isole, procure ajuda.

Se não cuidar de si, não será capaz de cuidar de quem precisa de si.

Outros artigos do blog

Fale connosco
1

Informações